Alimentação no inverno: evite os exageros!

Alimentação no inverno: evite os exageros!

Nos dias frios, é normal comer um pouco mais, porque o organismo exige mais energia. Mas isso não pode servir de desculpa para abusar de alimentos calóricos. Sem falar naquela preguiça que não deixa você praticar alguma atividade física e que somada às calorias a mais pode resultar em uma silhueta indesejada.

No inverno, o gasto energético aumenta devido ao esforço do organismo para manter o corpo aquecido e a fome é a necessidade de repor energia. Mas além de render quilos a mais, esses excessos podem ser decisivos para o surgimento ou agravamento da hipertensão e obesidade, sem falar nos níveis elevados de colesterol LDL, que pode aumentar o risco de doenças no coração e triglicérides, a gordura que circula na corrente sanguínea e é armazenada no tecido adiposo do corpo.

O ideal é se alimentar várias vezes ao dia, sem exageros, porque a dieta adequada é uma das grandes aliadas da boa saúde. Nesse período, também é normal deixar de comer verduras, legumes e frutas, porém, é necessário mantê-los no cardápio, porque evitam gripes, resfriados e fornecem vitaminas e fibras. E não se esqueça: beba bastante água, pois é fundamental para o equilíbrio do corpo.

A nutricionista Bianca Magnelli fala sobre a importância da hidratação: “Embora no inverno a sensação de sede diminua, o consumo de aproximadamente dois litros de água nos dias mais frios é necessário para evitar problemas renais, doenças de pele e desidratação”.

No inverno, o corpo precisa de menos água do que no verão e, por isso, sentimos menos sede. O problema é que pessoas que já bebem pouco no calor, bebem menos ainda no frio. Existe um equilíbrio entre a ingestão e a eliminação de água pelos mecanismos reguladores do organismo. A quantidade de água que deve ser ingerida por dia depende da quantidade eliminada, mas pode aumentar dependendo de fatores como peso, altura, sexo, atividade física etc. “Mesmo sem transpirar, é preciso tomar bastante água para que ela possa controlar o funcionamento do organismo.”

Retomando a questão da alimentação no inverno e de alimentar-se bem, a nutricionista Ariane Longo orienta que o segredo é comer a cada três horas e manter sempre uma alimentação balanceada em qualquer época do ano. A distribuição adequada de carboidratos, proteínas, gorduras e vegetais faz com que o organismo tenha disposição e energia para as atividades do dia a dia. Ariane ressalta que não há a necessidade de consumir mais calorias no frio para se manter com disposição e aquecido, porque é possível aproveitar um cardápio leve, com sopas de vegetais e carnes magras, além dos alimentos termogênicos que aumentam a termogênese, isto é, a geração de calor pelo organismo.

“A ingestão exagerada desses alimentos pode não ser tão gratificante como o esperado, porque devem ser consumidos com o acompanhamento de nutricionistas, que determinarão, segundo as características de cada indivíduo, a quantidade correta a serem ingeridas. Se consumidos em grandes quantidades, podem ocorrer sintomas como dores de cabeça, insônia, problemas no aparelho digestivo, tontura e outros”, alerta Bianca Magnelli.

 

ALTERNATIVAS PARA APROVEITAR MELHOR OS ALIMENTOS SEM SE PREOCUPAR COM A BALANÇA:

Chás: são ótimas alternativas para esquentar o corpo, além de serem deliciosos e excelentes para saúde;

Sopas e caldos: também são excelentes opções para aquecer. Prefira com legumes, porque é mais nutritivo e menos calórico;

Carnes: prefira as carnes cozidas no vapor ou assadas, e retire todas as gorduras aparentes;

Queijos: procure substituir os queijos amarelos pelos brancos, porque têm menor quantidade de gordura e, consequentemente, menos calorias;

Fondue: na preparação do fundue, prefira aqueles feitos com leite desnatado e queijo magro, ou que utilizam vegetais no lugar de pão, como cenoura, pepino, couve-flor, brócolis e chuchu;

Frutas: consuma as que são ricas em vitamina C, como o morango, tangerina, laranja e maracujá.

______________________

ALIMENTOS TERMOGÊNICOS:

Canela: pode ser acrescentada em bebidas, frutas e cereais, e possui alto teor de cálcio mineral, substância importante para o emagrecimento;

Chocolate: com 70% a 80% de cacau;

Gergelim: adicionado em saladas, massas e pães;

Pimenta vermelha: esse tipo específico de pimenta é rico em capsaicina, substância que favorece o aumento da quebra de gorduras no tecido adiposo. Ela aumenta em até 20% a atividade metabólica, se ingerida na quantidade de três gramas por dia, e pode ser adicionada em saladas e pratos quentes como tempero;

Gengibre: pode aumentar o gasto calórico em mais de 10% e ainda fica ótimo no molho de tomate, na sopa de legumes e nos chás, quando misturado com outras ervas;

Chá verde: assim como a pimenta, esse chá favorece a utilização da gordura corporal como fonte de energia em função do estímulo metabólico;

Ômega 3: encontrado em peixes, como salmão e atum, e em oleaginosas, que são plantas cujos frutos contêm uma alta dose de óleo e podem ser utilizados para a produção de óleo vegetal, tais como soja, dendê, girassol, amendoim e gergelim.

*Também entram na lista de termogênicos: mostarda, vinagre de maçã, acelga, aspargos, couve, brócolis, laranja, kiwi, cafeína, guaraná, linhaça, gorduras vegetais, sardinha e bacalhau.

 

Fonte: Revista InformACM – nº 38 – pág. 22