O Acordo Ortográfico, ou Reforma Ortográfica, que já está em vigor desde 2016, precisa estar na ponta da língua para que você não passe vexame nos e-mails corporativos, em redações oficiais, na faculdade, enfim, para que você fique por dentro de sua língua materna e a aprecie sem moderação, combinado?

Assim, prosseguiremos com nosso olhar atento à reforma, e, neste texto, abordaremos, de fato, quais foram as principais alterações. No primeiro, caso você não o tenha lido, focamos numa contextualização histórica, política e cultural da reforma ortográfica. Se quiser lê-lo ou relê-lo, clique aqui.

Agora, vamos às alterações:

1 – No Alfabeto

Acrescentaram-se, oficialmente, ao alfabeto, as seguintes letras: K, W e Y. 

2 – Trema

Extinção desse sinal linguístico, desaparecendo dos grupos: que, qui, gue, gui, quando a vogal u, por ser átona e pronunciada, levava o sinal sobre ele. Contudo, nomes e sobrenomes continuam a receber trema, a exemplo de Gisele Bündchen.

3 – Consoantes mudas

Consoantes mudas, sem apoio em vogal, desaparecem, como em: contacto (contato); susceptível (suscetível). Porém, se o resultado sonoro for desagradável, devem permanecer, como: compacto (compacto); técnico (técnico).

 

No próximo texto, abordaremos o que mudou quanto à acentuação. Até lá! 😉