ACORDO ORTOGRÁFICO?

A partir deste mês, o Integra On-line abordará na seção #SeLigaNaDica a “Reforma Ortográfica”. Você está por dentro? Se ainda não, é bom ficar atento(a) às novidades, porque elas já estão vigentes desde 2016.

Mas quem será que teve a brilhante ideia do acordo, onde e quando foi assinado? Quais as razões de ele existir? Você sabe quando foi aprovado e quais os países que aderiram? O que se deve lembrar de mais importante acerca do novo acordo? Pois bem, vamos às respostas!

Foi Portugal quem teve a ideia de organizar o Acordo Ortográfico, que foi assinado na cidade de Lisboa, no dia 16 de dezembro de 1990. Muito tempo, não é mesmo? As razões para tal são de ordem política – até na língua ela se faz presente, não é mesmo? – e de ordem cultural, cujos objetivos são, pouco a pouco, eliminar as diferenças ortográficas existentes entre os países de Língua Portuguesa, visando atingir a unificação linguística e cultural entre esses países e Portugal. No Brasil, o acordo só foi aprovado cinco anos depois, em 18 de abril de 1995, após decreto legislativo.

Sabe quais foram os países que aderiram, definitivamente?

:: Portugal;

:: Brasil;

:: Angola;

:: São Tomé e Príncipe;

:: Cabo Verde;

:: Guiné-Bissau;

:: Moçambique;

:: Timor Leste.

Se você pensa que passamos apenas por um grande acordo ortográfico, está redondamente enganado(a). Já houve, antes deste atual, duas reformas: em 1943 e 1971, que entrou em vigor em 1972.

O mais importante do Acordo Ortográfico atual é saber e lembrar que ele altera apenas a ortografia da língua escrita, nada mudando a linguagem falada. Fique tranquilo(a)!

Mas e aí? O que, de fato, mudou na parte escrita? Praticamente cinco grandes itens:

  1. Acréscimo de letras ao alfabeto;
  2. Exclusão de um sinal linguístico clássico;
  3. Formas de acentuação;
  4. As consoantes mudas, por não terem apoio da vogal;
  5. O emprego do hífen.

Nos próximos meses, destrincharemos todos os itens para você. Acompanhe aqui!

Até a próxima! 😉

 

Fonte: Unifieo.