SE LIGA NA DICA – PORTUGUÊS

Em fevereiro deste ano, o Integra on-line retomou o debate sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, em vigor, oficialmente, desde 2016. Já foi tratado da contextualização histórica da reforma e prosseguimos, na sequência, com o detalhamento acerca do que de fato mudou em nosso idioma: (no alfabeto, trema e consoantes mudas).

Agora, continuaremos a tratar das alterações ortográficas no âmbito da acentuação. Você sabe o que foi alterado? Acompanhe:

NOS ACENTOS

Palavras com acentos chamados de diferenciais: desaparecem. Exemplos: pára (verbo), para (preposição); pêlo (sibstantivo), pelo (contração); pêra (fruta), pera (preposição arcaica). EXCEÇÕES: a forma verbal pode (presente do indicativo) e pôde (pretérito perfeito do indicativo), pois nesse caso, não se consegue fazer distinção entre um e outro no contexto da frase.

Ah! O verbo pôr continua com acento circunflexo e a preposição por sem o acento.

______________________

Palavras paroxítonas com i, u, tônicos após ditongos perdem o acento. Exemplos: baiúca / baiuca; feiúra / feiura; cauíla / cauila.

______________________

Palavras com u tônico, nas formas dos verbos arguir e redarguir, perdem o acento agudo sobre u, assim temos: argúi / argui; argúem / arguem; redargúe / redargue.

______________________

Verbos terminados em guar, quar, quir, como averiguar, adequar, delinquir, por permitirem forma conjugada com ou sem acento sobre u tônico, podem, então, ser empregados: averigúe e averigue; adeqúem e adequem; delinqúam e delinquam.

 

Fonte: Unifieo.